Sejam todos muito bem-vindos! Depois de um ano de sucesso é chegada a hora de "mimar" o nosso blogue alterando-lhe o visual... ;) Alteram-se umas coisas, mas continua-se a apostar no mais importante: Partilha, Estudo e Brincadeira... para que possamos aprender sempre um pouco mais! Portanto mãos à obra, pois "Saber é Poder"!!! ;) Hugs and Kisses
RSS

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Robinson Crusoé - leitura digital

Neste post encontram várias versões do livro... basta clicarem na imagem e embarcar nesta aventura!!! BOAS LEITURAS!!!



Clica na imagem e começa a aventura ;)







segunda-feira, 15 de maio de 2017

Para o teste de maio!

Meninos do 6ºC e E:

Cá vai:
1- Texto e perguntas sobre o texto;
2- Texto dramático (ato/cena/ indicações cénicas; caracterização física e psicológica, ...)
3- Gramática: palavras derivadas e compostas; funções sintáticas, vocativo, modificador do grupo verbal (nome, verbo, pronome, advérbio, preposição, adjectivo, tempos e modos verbais estudados...) frase simples e frase complexa;
4- Composição: um dos 3 temas:  carta familiar;  texto autobiográfico -Redige o texto, apresentando as informações por ordem cronológica, na primeira pessoa. Deves indicar os dados mais importantes da tua vida, procurando ser original.- ou outro tema surpresa!.  (de 140 a 200 palavras).


Robinson Crusoé - livro pdf /slideshare


sábado, 6 de maio de 2017

recursos expressivos - texto poético

Repetição expressiva – é um recurso que serve para dar relevo a uma ideia e/ou para produzir um determinado efeito sonoro. É a repetição de uma palavra ou expressão, para tornar o texto mais expressivo.
Ex: As ondas subiam, subiam, subiam…
Personificação – é um recurso expressivo que consiste na atribuição de características humanas a um animal irracional ou a um ser inanimado. Basta um destes seres ser dotado de fala para se encontrar personificado.
Ex: A raposa disse ao corvo que havia uma nova lei entre os animais do bosque.
Comparação – é a relação entre duas realidades diferentes, através das expressões: como, parece, assim, tal como, parecido com…
Ex: Os olhos de Joana eram azuis como safiras
Enumeração – Consiste na utilização de palavras da mesma categoria gramatical de forma sucessiva, para especificar ou exemplificar algo.
Ex: A Joana tinha uma arca cheia de coisas belas e preciosas: colares, pulseiras, brincos, medalhas
Adjetivação – Consiste na utilização de um ou mais adjetivos, de forma a tornar o texto mais expressivo.
Ex: As ondas do mar eram leves, brancas e espumosas.
Onomatopeia – É um recurso expressivo que consiste na imitação de sons da realidade.
Ex: Miau! Miau!; Pum! Pum!; Truz, truz! Truz!


Ler mais: http://segundociclo.webnode.pt/products/recursos-expressivos/



quinta-feira, 4 de maio de 2017

texto poético - apontamentos escola virtual


quarta-feira, 3 de maio de 2017

texto poético

terça-feira, 2 de maio de 2017

texto poético

TEXTO POÉTICO
O texto poético apresenta-se, normalmente, em verso e tem como objectivo despertar a sensibilidade do leitor. Assim, a linguagem é mais expressiva, dando-se especial atenção ao ritmo e à musicalidade.
Chamamos poema a um texto escrito em verso.
Verso é cada uma das linhas de um poema.
Estrofe é um conjunto de versos. As estrofes são separadas por um espaço em branco. Uma estrofe pode ter um ou mais versos e um poema pode ter uma ou várias estrofes.
As estrofes são designadas de acordo com o número de versos que as compõem.

Número de versos
Estrofe
2
Dístico ou parelha
3
Terceto
4
Quadra
5
Quintilha ou quinteto
6
Sextilha ou sexteto
7
Septena, septilha ou hepteto
8
Oitava
9
Nona ou noneva
10
Décima

Nos poemas é frequente (mas não obrigatório) haver rima. A rima acontece quando dois ou mais versos terminam com sons iguais ou semelhantes.
Exemplo: Caracol, Caracol,
         Onde vais com tanto sol?

Etiquetas:

 (in http://segundociclo.webnode.pt/products/texto-poetico/)

terça-feira, 25 de abril de 2017

Os piratas - de Manuel António Pina







Livro em PDF!

Manuel António Pina
Escritor
Resultado de imagem para manuel antonio pina
Manuel António Pina foi um jornalista e escritor português, premiado em 2011 com o Prémio Camões.Wikipédia
Nascimento18 de novembro de 1943, Sabugal
Falecimento19 de outubro de 2012, Porto
Magnum opusTodas as Palavras

25 de abril - Infominuto

segunda-feira, 24 de abril de 2017

texto narartivo / Texto dramático


sábado, 22 de abril de 2017

Frases simples e complexas



   frase pode ser constituída por uma ou mais orações.
            Uma oração é a unidade gramatical organizada à volta de um verbo.

            Frase simples é aquela que é constituída por uma única oração, contendo, portanto, um só verbo conjugado (apresenta, assim, apenas um sujeito e um predicado).

            Ex.: Os meus pais oferecem-me muitos livros.
                    Frase simples ou oração (um só verbo conjugado)

           
            Frase complexa é aquela que é constituída por duas ou mais orações. Apresenta, portanto, mais do que um predicado e muitas vezes mais do que um sujeito.

            Ex.: Os meus pais oferecem-me muitos livros   porque eu gosto muito de ler.
                                   Frase complexa  ( dois verbos conjugados)

                




quarta-feira, 12 de abril de 2017

Nesta pausa da Páscoa...

Meninos, desta vez o comentário que faço serve apenas para vos desejar um bom descanso e uma Santa Páscoa!!!
Aproveitem para rever a matéria, já que não enviei trabalhos de casa, e trazer muitas dúvidas no início do próximo período!!! /;)

 e LEIAM pf!!!

terça-feira, 4 de abril de 2017

constituintes da frase - aula

A frase pode ser composta por diversos elementos que formam grupos, os constituintes.
O grupo nominal (GN) é um grupo de palavras que tem como núcleo um nome ou pronome. Ex.: Aquele livro é interessante. Ela saiu cedo.
O grupo verbal (GV) tem como núcleo um verbo. Ex.: Ele viajou. Ele estuda diariamente.
O grupo preposicional (GPrep) tem como núcleo uma preposição. Surge muitas vezes integrado no GN ou no GV. Ex.: Ele estudou com a Ana. Ninguém vive sem sonhar.
O grupo adverbial (GAdv) tem como núcleo um advérbio. Insere-se com frequência no GV. Ex.: Ontem faltei à aula. Ele porta-se muito bem.
O grupo adjetival (GAjd) tem como núcleo um adjetivo e aparece integrado noutro grupo frásico. Ex.: A rapariga estava linda. A linda rapariga cortou o cabelo. A rapariga cortou o longo cabelo.
Pode ainda incluir outros elementos que lhe estão associados. Ex.: A rapariga estava muito linda. A rapariga, farta de se pentear, cortou o cabelo. A rapariga estava linda de morrer.


EXEMPLO:
Hoje (G.Adv) a viúva (G. N) permaneceu em casa (GV), devido ao temporal (G. Prep)

sexta-feira, 10 de março de 2017

Para o teste de gramática...

Revisões para a ficha de avaliação de Gramática

1- Verbos : copulativos/ principais/ auxiliares (p.212)
a)A Maria estava cansada. -> v. copulativo
b)A Maria foi ao cinema. -> V- principal
c) A Maria tinha feito o jantar, no dia anterior. -> V. auxiliar

        2- Verbos: Regulares / Irregulares ( p.214)
- V. Regulares -> O radical fica igual quando conjugamos o verbo.
Ex: sonhar; sonho; sonhei; sonhava; sonharei…
- V. Irregulares -> não mantém o radical igual quando é conjugado.
Ex: dizer; digo; direi…

3-Sujeito simples/ sujeito composto (p.224)
S. Simples -> só tem um grupo nominal;
Ex: Eu estou cansada.
S. Composto -> é constituído por mais do que um grupo nominal.
Ex: A Joana e a Rita estão cansadas.

4-Frase ativa/ Frase Passiva (p.223)
- Os alunos vieram pela estrada. -> F. ativa
- O trabalho será apresentado pelos professores.-> F. Passiva.

5- Vocativo (p.228)
- indica o interlocutor ( a quem nos dirigimos);
- separado sempre por vírgulas.
Ex: Maria, onde está a Rita?

6- Complemento Oblíquo ( p.226)
- é introduzido por G. Preposicional ou Adverbial;
- não pode ser retirado da frase, pois são exigidos por alguns verbos transitivos;
- não podem ser substituídos pelos pronomes LHE/LHES
Ex: Eles gostam de escrever.

7- Complemento Agente da Passiva (P. 226)
- função sintática desempenhada  por G. Preposicional, iniciada pela preposição POR;
- esta função sintática só surge nas frases passivas.
Ex: A composição foi escrita pelos alunos.

8- Predicativo do Sujeito (P. 226)
- O constituinte que se encontra À direita de um verbo  copulativo desempenha a função sintática de Predicativo do Sujeito;
- O Predicativo pode ser: um G. Nominal; um G. Preposicional; um G. Adverbial; um Adjetivo;
- Atribuem propriedades ao sujeito ou localizam-no.
Ex: Este livro é interessante.

9- Modificador (p.227)
- Não é selecionado pelo verbo, podendo  ser suprimido sem prejudicar o sentido da frase;
- Pode ter a forma de G. Preposicional ou G. Adverbial;
- Introduz novas informações na frase (ex: informação de tempo- ontem; de lugar – aqui; de modo – tranquilamente)
- Faz parte do predicado.
EX: O Manuel trabalha no Algarve.

10- Verbos: Tempos e Modos
- Modo indicativo;

- Modo imperativo: Ex: Marco, cala-te!

- Modo conjuntivo:
- é utilizado sempre que queremos falar de factos possíveis, desejos ou dúvidas;

- tem 3 tempos: Presente; Pretérito imperfeito; Futuro.

a) Presente – colocar QUE antes do pronome pessoal;
Ex: Espero que o Manuel arrume a sala.

b) Pretérito Imperfeito – Colocar SE antes do Pronome Pessoal;
EX: Reconhecerias o professor, se o visses?

c) Futuro – colocar QUANDO antes do Pronome Pessoal;
EX: Quando partires, sentirei a tua falta.


Tempos compostos… como se formam?
Para formar os verbos compostos conjugamos apenas o verbo auxiliar, enquanto o verbo principal fica sempre no particípio.

Os tempos compostos são os verbos auxiliares ter e haver ligados a um verbo principal no particípio, do qual resulta uma locução verbal.

Lembrem-se que o verbo principal fica sempre no particípio enquanto que o verbo auxiliar é que é conjugado no tempo pedido.

01) Pretérito Perfeito Composto do Indicativo:
Conjugar o verbo auxiliar ter ou haver no Presente do Indicativo e o principal no particípio, indica algo que tem ocorrido com frequência ultimamente.
Por exemplo:
Eu tenho estudado muito ultimamente.

02) Pretérito Mais-que-perfeito composto
O verbo auxiliar ter ou haver é conjugado no imperfeito do conjuntivo.
Exemplo:
tivesse brincado, tivesses brincado…
SE tivesses chegado mais cedo, terias ….





sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

DATAS IMPORTANTES!!!! - 6ºC

Não esquecer - 6ºC:


1- Apresentação dos trabalhos de Português e Inglês - de 24 a 31 de março;
2- Teste de compreensão literária - dia 3 de março (30minutos);
3- Teste de gramática - dia 6 de março (30 minutos);
4- Teste de Interpretação do oral - dia 6 de março (15 minutos)

Inglês:
5- Teste Reading comprehension - dia 7 de março;
6- Teste de grammar - dia 14 de março;
7- Teste de Listening - dia 21 de março.

Resumo coletivo - "Ali Babá e os quarenta ladrões" -6C

Caríssimos,
cá fica o resumo feito na aula (mas ainda incompleto) da obra "Ali Babá e os quarenta ladrões".



Há muito, muito tempo numa cidade para os lados do Oriente, vivia Ali Babá, um modesto lenhador, que ganhava a vida a  vender lenha.
Certa manhã, como em todas as outras manhãs, andava a cortar lenha nas montanhas, quando avistou uma nuvem de poeira. Aproximava-se uma caravana de quarenta ladrões carregados com grandes caixas, que as puseram no chão ao chegarem junto a uma rocha.
Então, espantadíssimo, Ali Babá viu o chefe aproximar-se da parede rochosa e gritar:
- Abre-te Sésamo!
Como que por milagre abriu-se uma grande fenda na rocha e apareceu uma enorme gruta, no interior da qual os homens depositaram as caixas e saíram.
- Fecha-te Sésamo!- gritou o chefe.
        A parede voltou a fechar-se e foram-se embora.
Quando Ali Babá viu que os homens já iam longe – depois de confirmar que tinham saído todos, correu para a grande rocha e gritou:
- Abre-te Sésamo!
Entrou na gruta e viu, espantado, que ela albergava um precioso tesouro, proveniente dos roubos que os homens vinham praticando nas cidades da região. Então carregou o que pode num saco, que colocou na sua mula e voltou para casa.
Quando chegou a casa a sua mulher – Feiruz - desconfiada questionou-o sobre a origem daquele dinheiro. Ali Babá contou-lhe. Esta sugeriu que fossem a casa de Qassem, irmão mais velho de Ali Babá pedir uma vasilha para contar todo aquele dinheiro.
Foi Xainaz – mulher de Qassem- quem lhe entregou a vasilha e quem a recebeu, percebendo que tinha ficado uma moeda presa no fundo da vasilha, resolveu contar ao marido o que se passava.
Qassem foi pedir satisfações a Ali Babá e este pedindo segredo contou tudo ao seu irmão.
Como era muito ambicioso, resolveu sozinho – sem contar a ninguém- ir até à gruta com seis mulas para carregar todas as riquezas que conseguisse. Entrou na gruta e carregou tudo o que conseguiu, mas com tanta riqueza esqueceu-se da palavra mágica e ficou preso na gruta.
Quando chegaram os ladrões e viram as mulas à porta estranharam. Entraram na gruta e viram Qassem, sem o deixar falar decapitaram-no e ficaram preocupados com o facto de alguém saber a palavra mágica para entrar.
Foram-se embora e deixaram na gruta o corpo.
A mulher de Qassem estranhando a sua ausência foi falar com Ali Babá. Este foi até à gruta e encontrou o seu irmão decapitado. Levou-o às escondidas para sua casa e resolveram disfarçar o sucedido.
Pensaram e resolveram pedir a colaboração de Morjana, a jovem empregada escrava, para que todos pensassem que Qassem tinha morrido na sua cama. Esta foi ao boticário durante três dias pedir um medicamento que se costuma dar às pessoas atingidas pela fraqueza e ao terceiro dia todos já sabiam que Qassem tinha morrido, devido aos choros vindos da sua casa.
Nessa mesma noite, Morjana foi ter com um sapateiro a quem pagou com moedas de ouro, para que cozesse a cabeça de Qassem ao seu corpo, mas em segredo. Levou-o de olhos vendados até ao quarto de Qassem, para que ele não soubesse onde estava.
Foi feito o funeral a Qassem.
Ali Babá resolveu casar com a mulher de Qassem – Xainaz - e ir viver com a sua primeira mulher e filhos para a  casa de Xainaz, pois era maior. O filho mais velho de Ali Babá – Nuredine -ficou com a loja de Qassem.
Porém, quando os ladrões regressaram à gruta e viram que o corpo de Qassem já não se encontrava na gruta, logo pensaram numa maneira de  apanharem quem o tinha ido lá buscar e sabia a palavra mágica da gruta. 
Um dos ladrões, vestido de mercador, conseguiu descobrir – com a ajuda do sapateiro – a casa de Qassem, marcou-a com uma cruz de giz e foi contar aos restantes ladrões.
Mas Morjana ao ver a cruz na casa desconfiou e resolveu baralhar quem a tinha feito, colocando várias cruzes nas casas mais próximas da sua.
Todos os ladrões desceram à cidade com armas para matar Ali Babá, mas quando lá chegaram confrontaram-se com a dúvida de qual seria a casa.
O chefe dos ladrões resolveu ir ter com o sapateiro e depois de este o conduzir até à casa de Ali Babá guardou na sua memória todos os pormenores para não se voltar a enganar e regressou à caverna.
Combinou com os restantes ladrões percorrerem os mercados nos dias seguintes e pediu que comprassem 20 mulas e 40 vasilhas, para que se conseguissem meter dentro delas.
Dirigem-se todos já, ao final da tarde, para a casa de Ali e quando lá chegam o chefe dos ladrões pergunta-lhe onde pode pernoitar com a sua carga de azeite. Como era tarde Ali oferece a sua casa para o “mercador” e as suas mulas descansar.
Ali pediu a Morjana que alimentasse e abrigasse o mercador e desse água e maçãs cortadas aos animais. Como a escrava tinha ficado sem azeite resolveu ir buscar algum `a carga do mercador. Chegado ao pátio apercebeu-se de que apenas as duas primeiras vasilhas tinham azeite e que dentro das restantes havia alguém a conspirar contra Ali.
Morjana pediu ajuda a Abdalá para aquecer azeite e verter dentro das vasilhas, de modo a matar quem lá estava dentro. E assim foi…Quando se apercebeu do que havia acontecido Qoja – chefe dos ladrões – fugiu para a caverna e  por lá ficou alguns dias a pensar no que fazer.
Resolveu disfarçar-se de mercador, para que ninguém o reconhecesse, e descer à cidade. Alugou uma loja, para vender tapetes, junto da loja de Nuredine e tornou-se amigo do filho de Ali.
Passado algum tempo, Nuredine resolveu apresentar o seu amigo mercador a seu pai. Ali convidou-o para almoçar com a família e este aceitou, colocando como condição não ter sal na sua comida.
Morjana desconfiou e apercebeu-se que se tratava do chefe dos ladrões e agendou um plano para o matar.
Sugeriu a Ali uma dança do ventre para o seu convidado e enquanto a fazia espetou um punhal no convidado de Ali.
Como Ali não percebeu o que tinha acontecido, Morjana explicou tudo a seu amo e como sinal de agradecimento Ali sugeriu a sua mão a Nuredine.
Ambos aceitaram casar-se e Ali contou à sua família o seu segredo, de modo a que toda aquela riqueza fosse  usada com moderação  e sensatez pelas gerações seguintes.