Sejam todos muito bem-vindos! Depois de um ano de sucesso é chegada a hora de "mimar" o nosso blogue alterando-lhe o visual... ;) Alteram-se umas coisas, mas continua-se a apostar no mais importante: Partilha, Estudo e Brincadeira... para que possamos aprender sempre um pouco mais! Portanto mãos à obra, pois "Saber é Poder"!!! ;) Hugs and Kisses
RSS

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

DATAS IMPORTANTES!!!! - 6ºC

Não esquecer - 6ºC:


1- Apresentação dos trabalhos de Português e Inglês - de 24 a 31 de março;
2- Teste de compreensão literária - dia 3 de março (30minutos);
3- Teste de gramática - dia 6 de março (30 minutos);
4- Teste de Interpretação do oral - dia 6 de março (15 minutos)

Inglês:
5- Teste Reading comprehension - dia 7 de março;
6- Teste de grammar - dia 14 de março;
7- Teste de Listening - dia 21 de março.

Resumo coletivo - "Ali Babá e os quarenta ladrões" -6C

Caríssimos,
cá fica o resumo feito na aula (mas ainda incompleto) da obra "Ali Babá e os quarenta ladrões".



Há muito, muito tempo numa cidade para os lados do Oriente, vivia Ali Babá, um modesto lenhador, que ganhava a vida a  vender lenha.
Certa manhã, como em todas as outras manhãs, andava a cortar lenha nas montanhas, quando avistou uma nuvem de poeira. Aproximava-se uma caravana de quarenta ladrões carregados com grandes caixas, que as puseram no chão ao chegarem junto a uma rocha.
Então, espantadíssimo, Ali Babá viu o chefe aproximar-se da parede rochosa e gritar:
- Abre-te Sésamo!
Como que por milagre abriu-se uma grande fenda na rocha e apareceu uma enorme gruta, no interior da qual os homens depositaram as caixas e saíram.
- Fecha-te Sésamo!- gritou o chefe.
        A parede voltou a fechar-se e foram-se embora.
Quando Ali Babá viu que os homens já iam longe – depois de confirmar que tinham saído todos, correu para a grande rocha e gritou:
- Abre-te Sésamo!
Entrou na gruta e viu, espantado, que ela albergava um precioso tesouro, proveniente dos roubos que os homens vinham praticando nas cidades da região. Então carregou o que pode num saco, que colocou na sua mula e voltou para casa.
Quando chegou a casa a sua mulher – Feiruz - desconfiada questionou-o sobre a origem daquele dinheiro. Ali Babá contou-lhe. Esta sugeriu que fossem a casa de Qassem, irmão mais velho de Ali Babá pedir uma vasilha para contar todo aquele dinheiro.
Foi Xainaz – mulher de Qassem- quem lhe entregou a vasilha e quem a recebeu, percebendo que tinha ficado uma moeda presa no fundo da vasilha, resolveu contar ao marido o que se passava.
Qassem foi pedir satisfações a Ali Babá e este pedindo segredo contou tudo ao seu irmão.
Como era muito ambicioso, resolveu sozinho – sem contar a ninguém- ir até à gruta com seis mulas para carregar todas as riquezas que conseguisse. Entrou na gruta e carregou tudo o que conseguiu, mas com tanta riqueza esqueceu-se da palavra mágica e ficou preso na gruta.
Quando chegaram os ladrões e viram as mulas à porta estranharam. Entraram na gruta e viram Qassem, sem o deixar falar decapitaram-no e ficaram preocupados com o facto de alguém saber a palavra mágica para entrar.
Foram-se embora e deixaram na gruta o corpo.
A mulher de Qassem estranhando a sua ausência foi falar com Ali Babá. Este foi até à gruta e encontrou o seu irmão decapitado. Levou-o às escondidas para sua casa e resolveram disfarçar o sucedido.
Pensaram e resolveram pedir a colaboração de Morjana, a jovem empregada escrava, para que todos pensassem que Qassem tinha morrido na sua cama. Esta foi ao boticário durante três dias pedir um medicamento que se costuma dar às pessoas atingidas pela fraqueza e ao terceiro dia todos já sabiam que Qassem tinha morrido, devido aos choros vindos da sua casa.
Nessa mesma noite, Morjana foi ter com um sapateiro a quem pagou com moedas de ouro, para que cozesse a cabeça de Qassem ao seu corpo, mas em segredo. Levou-o de olhos vendados até ao quarto de Qassem, para que ele não soubesse onde estava.
Foi feito o funeral a Qassem.
Ali Babá resolveu casar com a mulher de Qassem – Xainaz - e ir viver com a sua primeira mulher e filhos para a  casa de Xainaz, pois era maior. O filho mais velho de Ali Babá – Nuredine -ficou com a loja de Qassem.
Porém, quando os ladrões regressaram à gruta e viram que o corpo de Qassem já não se encontrava na gruta, logo pensaram numa maneira de  apanharem quem o tinha ido lá buscar e sabia a palavra mágica da gruta. 
Um dos ladrões, vestido de mercador, conseguiu descobrir – com a ajuda do sapateiro – a casa de Qassem, marcou-a com uma cruz de giz e foi contar aos restantes ladrões.
Mas Morjana ao ver a cruz na casa desconfiou e resolveu baralhar quem a tinha feito, colocando várias cruzes nas casas mais próximas da sua.
Todos os ladrões desceram à cidade com armas para matar Ali Babá, mas quando lá chegaram confrontaram-se com a dúvida de qual seria a casa.
O chefe dos ladrões resolveu ir ter com o sapateiro e depois de este o conduzir até à casa de Ali Babá guardou na sua memória todos os pormenores para não se voltar a enganar e regressou à caverna.
Combinou com os restantes ladrões percorrerem os mercados nos dias seguintes e pediu que comprassem 20 mulas e 40 vasilhas, para que se conseguissem meter dentro delas.
Dirigem-se todos já, ao final da tarde, para a casa de Ali e quando lá chegam o chefe dos ladrões pergunta-lhe onde pode pernoitar com a sua carga de azeite. Como era tarde Ali oferece a sua casa para o “mercador” e as suas mulas descansar.
Ali pediu a Morjana que alimentasse e abrigasse o mercador e desse água e maçãs cortadas aos animais. Como a escrava tinha ficado sem azeite resolveu ir buscar algum `a carga do mercador. Chegado ao pátio apercebeu-se de que apenas as duas primeiras vasilhas tinham azeite e que dentro das restantes havia alguém a conspirar contra Ali.
Morjana pediu ajuda a Abdalá para aquecer azeite e verter dentro das vasilhas, de modo a matar quem lá estava dentro. E assim foi…Quando se apercebeu do que havia acontecido Qoja – chefe dos ladrões – fugiu para a caverna e  por lá ficou alguns dias a pensar no que fazer.
Resolveu disfarçar-se de mercador, para que ninguém o reconhecesse, e descer à cidade. Alugou uma loja, para vender tapetes, junto da loja de Nuredine e tornou-se amigo do filho de Ali.
Passado algum tempo, Nuredine resolveu apresentar o seu amigo mercador a seu pai. Ali convidou-o para almoçar com a família e este aceitou, colocando como condição não ter sal na sua comida.
Morjana desconfiou e apercebeu-se que se tratava do chefe dos ladrões e agendou um plano para o matar.
Sugeriu a Ali uma dança do ventre para o seu convidado e enquanto a fazia espetou um punhal no convidado de Ali.
Como Ali não percebeu o que tinha acontecido, Morjana explicou tudo a seu amo e como sinal de agradecimento Ali sugeriu a sua mão a Nuredine.
Ambos aceitaram casar-se e Ali contou à sua família o seu segredo, de modo a que toda aquela riqueza fosse  usada com moderação  e sensatez pelas gerações seguintes.








sábado, 18 de fevereiro de 2017

St. Valentine's Day - Semana dos Afetos

Caros pais/EE,
Na próxima semana vou desenvolver, com as minhas turmas -6C /E- atividades para celebrar o São Valentim/Dia dos Afetos.

1- Em colaboração com a BE/CRE irei fazer:
- exposição dos trabalhos realizados pelos alunos (à semelhança do que foi feito no HAlloween) ;
- Troca de mensagens/postais com toda a comunidade educativa, através da caixa de correio da amizade, que estará na BE.

Visitem a exposição e participem na troca de msg!!!


2- Em sala de aula:
- Todos os dias da próxima semana, nos primeiros 15 minutos de cada aula, que poderá ser de Português ou Inglês, os alunos serão convidados a partilhar na 2ªf -> Xi-corações/abraços; 3ªf ->beijinhos; 5ªf-> apertos de mão; 6ªf -> sorrisos. 
Serão ainda visualizados vídeos; lidas notícias; analisadas fotos ou imagens; ouvidas músicas; lidos poemas - alusivos ao amor/amizade- de maneira a incentivar a partilha de experiências, sentimentos, valores... no fundo, será realizada uma reflexão sobre a importância dos afetos/amor na nossa vida;
- construção de um estendal do amor/amizade;
- distribuição de marcadores de livros com mensagens positivas para os alunos (Ex: you are amazing / brilliant/ great/ fantastic/... Dá o teu melhor todos os dias; ...
- Troca de correspondência - Redação de mensagens dirigidas a um amigo, colega, professor, auxiliar, pai, mãe,... - em português e inglês - para deixar no marco de correio da BE, e que serão posteriormente entregues aos destinatários.



P.S. Logo que tenha fotos acrescento-as a esta mensagem!😃😉






Um miminho para os alunos, que também merecem! Espero que tenham gostado!


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Ali Babá e os quarenta ladrões pdf


Para conseguirem ler a obra cliquem na imagem!
(in: http://docslide.com.br/documents/ali-baba-e-os-40-ladroes-antonio-pescadapdf.html)



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

texto narrativo

Texto Narrativo

O texto narrativo (ou narrativa) é um texto do qual fazem parte acções e descrições onde é contada uma história. Este tipo de texto é geralmente organizado em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Acção

A acção do texto narrativo pode-se localizar tanto no espaço (onde) como no tempo (quando).

Autor

O autor é quem imagina e escreve a narrativa.

Narrador

O narrador é quem conta a história e pode ser participante (se participa na história como personagem), ou não participante (se apenas conta a história sem fazer parte das personagens).

Personagens

As personagens são seres imaginários criados pelo autor e é através deles que decorre a acção. Pode existir um personagem principal ou mais que um numa história, assim como as personagens secundárias.

Retrato

O retrato é realizado pelo autor para dar a conhecer os personagens aos leitores. O retrato dos personagens pode ser realizado através de características físicas ou psicológicas das personagens.

Recursos expressivos

Para dar uma maior expressividade ao texto, os autores utilizam certos processos designados por recursos expressivos. Os mais importantes são:
Onomatopeias – Quando são utilizadas palavras que procuram imitar sons ou ruídos. Ex: ão, ão; bum!.
Adjectivação – Quando se utilizam adjectivos para descrever personagens, paisagens, situações, etc… Ex: A menina bonita de ténis amarelos e pesados, naquele dia quente e alegre…
Aliteração - Quando se repete o mesmo som. Ex: O rato roeu a rolha da garrafa do rei da Rússia.
Repetição – Quando se repete a mesma palavra ou palavras. Ex: Tu és bela, ela é bela, a lua é bela nós somos belos.
Personificação – Quando se atribuem características humanas a objectos ou a animais. Ex: A lua parou e chorou a noite inteira.
Comparação – Quando se compara uma coisa a algo semelhante ou igual. Ex: Alegre como um pardalinho atrás do pão.

Complemento Oblíquo / Modificador

Como proceder para que esta diferença seja clara?

Em primeiro lugar, associar a ideia de complemento à ideia de obrigatoriedade de colocação na frase e a de modificador à de colocação facultativa, como acontece nos exemplos 1) 2):

1) O João foi a Lisboa.
2) O João trabalha em Lisboa

Como se verifica, a frase1) ficaria sem sentido se lhe retirássemos o segmento sublinhado, pelo que a sua presença é obrigatória. Já na frase 2), o segmento sublinhado apenas acrescenta uma informação que, embora completando o sentido da frase, não lhe é de todo indispensável, pelo que pode ser considerada acessória.

Em segundo lugar, mostrar que o verbo que solicita a presença de um complemento oblíquo exige vir acompanhado de preposição (quando a função é exercida por um GPrepou de um advérbio(quando a função é exercida por um GAdv), como se pode ver nos exemplos 3) e 4), o que não acontece com os modificadores, como se observa nas frases 5) e 6):

3) O João gosta da Maria. [o verbo «gostar» exige a utilização da preposição «de», (aqui contraída com o determinante «a»)]
4) Ele mora ali. [sem o advérbio locativo, a frase fica sem sentido]
5) Eles estudam de manhã. [o verbo estudar não selecciona preposição]
6) Eles almoçam ali. [o verbo almoçar não selecciona advérbio para lhe completar obrigatoriamente o sentido]



Esta actividade de contraste será ainda mais bem sucedida se previamente o professor tiver definido o descritor de desempenho associado a estes conteúdos, de forma a certificar-se que foram adequadamente interiorizados.

A consciência da diferença entre complemento e modificador (e entre complementos e entre modificadores) é muito importante, visto que ajuda os alunos a distinguir o essencial do acessório e, no plano textual, por exemplo, também lhes permite mais facilmente separar a informação obrigatória da circunstancial, o que é fundamental para produzir, resumir ou sintetizar melhor um texto.


Nota :          Clica     para fazeres exercícios de  aplicação. Bom trabalho ....







Clica na imagem para aumentares o seu tamanho.

Faz aqui uma consolidação dos conhecimentos adquiridos.