Sejam todos muito bem-vindos! Depois de um ano de sucesso é chegada a hora de "mimar" o nosso blogue alterando-lhe o visual... ;) Alteram-se umas coisas, mas continua-se a apostar no mais importante: Partilha, Estudo e Brincadeira... para que possamos aprender sempre um pouco mais! Portanto mãos à obra, pois "Saber é Poder"!!! ;) Hugs and Kisses
RSS

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

I am the escaped one

I am the escaped one


I am the escaped one,
After I was born
They locked me up inside me
But I left.
My soul seeks me,
Through hills and valley,
I hope my soul
Never finds me.

Fernando Pessoa

Fred aqui fica o que prometi!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

resultados das fichas de avaliação de Português....

Amigos do 6.ºB...
Aqui ficam as notas das fichas de avaliação de Português!
(dividi a nota em 2 partes - teste e reconto...estas são só as notas dos testes)


Não satisfaz- 3 (sendo que dois estão nos 49% e o outro é de 45%)
Satisfaz- 5
Satisfaz bem- 15
Excelente- 5


See you! ;)

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

...

















mais poemas..


















Espólio de Pessoa - (para rir ou chorar!)

videos - bibilografia





quarta-feira, 24 de novembro de 2010

poemas...
















poema - video

Os grandes Portugueses - video RTP

...

Que estúpido se não sabe que a infelicidade dos outros é dele
e não se cura de fora.
Porque sofrer não é ter falta de tinta
ou o caixote não ter aros de ferro!


....


Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.



....


Põe a tua mão
Sobre o meu cabelo...
Tudo é ilusão.
Sonhar é sabê-lo.



...


Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser.



...

...

Sou um guardador de rebanhos

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.

Pensar numa flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto,
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei da verdade e sou feliz.


                           Alberto Caeiro


É talvez o último dia da minha vida.


É talvez o último dia da minha vida.
Saudei o Sol, levantando a mão direita,
Mas não o saudei, dizendo-lhe adeus,
Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada.

                                   Alberto Caeiro


Isto

Dizem que finjo ou minto
Tudo que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa é que é linda.

Por isso escrevo em meio 
Do que não está de pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê! 

                  Fernando Pessoa

Poema

Poema

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são 
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas).

           Álvaro de Campos

Mar Português

Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

                    Fernando Pessoa, in Mensagem



O que há em mim é sobretudo cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

                      Álvaro de Campos

Liberdade

Liberdade

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.

O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quando há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...


                          Fernando Pessoa



Autopsicografia

Autopsicografia
   
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira a entreter a razão,
Esse comboio de corda
que se chama o coração.

          Fernando Pessoa

Quando estou só reconheço

Quando estou só reconheço

Quando estou só reconheço
Se por momentos me esqueço
Que existo entre outros que são
Como eu sós, salvo que estão
Alheados desde o começo.

E se sinto quanto estou
Verdadeiramente só,
Sinto-me livre mas triste.
Vou livre para onde vou,
Mas onde vou nada existe.

Creio contudo que a vida
Devidamente entendida
É toda assim, toda assim.
Por isso passo por mim
Como por cousa esquecida.

            Fernando Pessoa

Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive

                  Ricardo Reis

segue o teu destino... Ricardo Reis

Segue o teu destino

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.

               Ricardo Reis

Fernando Pessoa...

Grande poeta Português... 
Maior embaixador de Portugal... 
Escreveu uma vasta e variada obra, através de múltiplas identidades, a que chamamos de heterónimos. As suas obras reflectem os diferentes momentos da sua vida, bem como a sua forma de pensar e a sua existência. É conhecido internacionalmente, devido à elevada qualidade da sua obra poética e à diferente maneira de encarar e criticar a vida!
Um Português de se lhe tirar o chapéu...
Todas as homenagens feitas a este grande HOMEM...são mais do que merecidas!



Fernando Pessoa...Biografia


Nascido a 13 de Junho de 1888, bem cedo ficou órfão de pai, vítima de tuberculose.
Devido ao 2.º casamento de sua mãe com o cônsul português em Durban , na África do Sul, foi nesse país que passou parte da sua infância e adolescência ( 1895 -1905) , tendo frequentado o ensino secundário no liceu de Durban.
Regressou definitivamente a Portugal em 1905, tendo frequentado, por breve período de tempo, o Curso Superior de Letras. Tendo falhado na tentativa de montar uma tipografia, dedicou-se à tradução de correspondência estrangeira ( a Língua Inglesa era, para si, praticamente uma 2.ª língua materna) para casas comerciais , dedicando o seu tempo livre aos estudos de filosofia, ciências humanas e políticas , bem como literatura moderna.
Em 1920, sua mãe, agora viúva, regressa a Portugal com seus irmãos e Fernando Pessoa passa então a residir com a família. É também nessa altura que conhece Ofélia Queiroz, por quem se apaixona , conforme testemunham as " Cartas de Amor de Fernando Pessoa". Esta relação interrompida e retomada, termina definitivamente em 1929. Uma década após a morte de sua mãe ( 1925) , morre Fernando Pessoa , vitima de problemas hepáticos, provavelmente causados pelo consumo excessivo de álcool. A 30 de Novembro de 1935 morre aquele que viria, anos mais tarde, a ser consagrado como um dos maiores poetas de Lingua Portuguesa . Reconhecido internacionalmente , Fernando Pessoa foi , é e será sempre o maior embaixador da Língua Portuguesa no Mundo .
Vivendo num círculo restrito de amigos, frequentando alguns dos mais conhecidos cafés da capital, envolve-se em discussões literárias e até políticas que lhe abrem as portas de algumas revistas que publicam os seus trabalhos. No entanto, só em 1915, com a colaboração de Mário de Sá- Carneiro , bem como de outros poetas e artistas plásticos , funda o grupo Orpheu e lança a revista com o mesmo nome e que vem a ser considerada como um marco do Modernismo Português. Participou simultaneamente noutras revistas, tendo inclusivamente desempenhado o cargo de sub-director das revista "Athena" e " Contemporânea", onde publicou alguns dos seus poemas, nomeadamente " Mar Português".
A sua obra, que permaneceu maioritaramente inédita, foi difundida e valorizada pelo grupo Presença. Em 1943 foram editadas as obras completas de Fernando Pessoa - ortónimo, bem como os textos poéticos dos seus 3 principais heterónimos - Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis. Concebidos por Fernando Pessoa como individualidades distintas da do autor, foi-lhes criada uma biografia , bem como um horóscopo individual. Ligados a alguns problemas centrais da sua obra , traduzem a consciência pessoal da fragmentação do eu "real" de Pessoa, nomeadamente ao nível da produção literária.

Vamos celebrar ....75 anos da morte de um grande PORTUGUÊS

 



Lisboa

1888 - 1935

Portugal

13 de junho de 1888 - Nasce em Lisboa, às 3 horas da tarde, Fernando Antônio Nogueira Pessoa. 
1896 - Parte para Durban, na África do Sul.
1905 - Regressa a Lisboa
1906 - Matricula-se no Curso Superior de Letras, em Lisboa
1907 - Abandona o curso.
1914 - Surge o mestre Alberto Caeiro. Fernando Pessoa passa a escrever poemas dos três heterônimos.
1915 - Primeiro número da Revista "Orfeu". Pessoa "mata" Alberto Caeiro. 
1924 - Surge a Revista "Atena", dirigida por Fernando Pessoa e Ruy Vaz.
1926 - Fernando Pessoa requere patente de invenção de um Anuário Indicador Sintético, por Nomes e Outras Classificações, Consultável em Qualquer Língua. Dirige, com seu cunhado, a Revista de Comércio e Contabilidade.
1927 - Passa a colaborar com a Revista "Presença".
1934 - Aparece "Mensagem", seu único livro publicado.
30 de novembro de 1935 - Morre em Lisboa, aos 47 anos.

Análise sintáctica e morfológica - online

Testem os vossos conhecimentos!

recursos expressivos - exercícios online 5


Até o Pai Natal quer estudar... ;) 


domingo, 21 de novembro de 2010

pensar é...

Vamos lá dar asas à imaginação e completar....

Pensar é... 

resultados das fichas de avaliação de Inglês....Novembro - 6ºC

Amigos cá ficam os resultados das vossas fichas de avaliação também!

Não Satisfaz - 10
destes  5 estão quase, quase, quase, quase... no Satisfaz)
Satisfaz - 7
Satisfaz Bem - 2

Nota: Estão em falta os resultados das fichas de avaliação do António e do João Pinto.


See you tomorrow! :|

resultados das fichas de avaliação de Inglês....Novembro - 6ºB

Amigos aqui ficam os resultados das fichas de avaliação...

Não Satisfaz - 11
Satisfaz - 8
Satisfaz Bem - 7

Amanhã vamos conversar e ver o que falhou... See you ... ;(

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Complementos Circunstanciais (tempo, modo, lugar) - exercícios online

Clicar e practicar! ;)
(in prof2000)

Complementos Circunstanciais - tempo, modo e lugar - exercícios online

Basta cliclarem na imagem! ;)

Complementos Circunstanciais (tempo, modo, lugar)

COMPLEMENTOS CIRCUNSTANCIAIS

Ex.:  A Joana pratica alguns desportos num clube desportivo.

Observando a frase, verificamos que:

·        O Sujeito é: A Joana
·        O Predicado é constituído por três elementos:
*  O verbo: pratica
* um complemento directoalguns desportos
* um elemento que refere o lugar: num clube desportivo.
            A este elemento, que refere o lugar em que é praticada a acção, dá-se a designação de complemento circunstancial de lugar.

Como identificar um complemento circunstancial?

·        Em geral não é complemento essencial. Se o suprimirmos a frase continua aceitável.
·        O complemento circunstancial pode deslocar-se dentro da frase, é móvel.
·        É geralmente introduzido por uma preposição: a, em, de, com, por…
·        O complemento circunstancial completa o verbo, indicando uma circunstância da acção: tempo, lugar, modo, causa, fim, companhia, dúvida.
·        O complemento circunstancial pode ser constituído por uma palavra ou expressão precedidas de preposição ou por um advérbio ou locução adverbial.

Classificação dos complementos circunstanciais

            Há uma grande diversidade de complementos circunstanciais, os quais se classificam consoante as circunstâncias que introduzem na oração.
Lugar: Ela colheu flores no jardim.
Tempo: Ele vai partir no Domingo.
ModoEla falava furiosamente.

Causa: Coraram de vergonha.
Fim:  Tomei um xarope para curar a gripe.
Meio: Comuniquei por telefone.
Companhia: O Filipe saiu com o seu melhor amigo.
Dúvida: Talvez vá ao cinema.

(in Prof2000)

Para relembrar...

Present Continuous

http://www.box.net/shared/a6e8faz5qf

aqui ficam mais alguns exercícios!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Fernando Pessoa...

Fernando Pessoa...

Fernando Pessoa...









Fernando Pessoa...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

more sports - video vocabulary



quinta-feira, 11 de novembro de 2010



Hoje é dia de São Martinho!






Duas versões da Lenda de São Martinho!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Sports and hobbies - worksheets

Hobbies


Extreme Sports


Basta clicarem, fazer o download e resolverem as fichas!
Good Work!
;)